Letra e música: Getúlio Targino Lima

Quando no abismo caída, 
minh'alma só quer chorar, 
lança seu grito dorido, 
de ovelha balido 
que atravessa o ar. 
Ferida, em sangue esvaída, 
tudo parece acabar.

Vens qual Pastor mui Zeloso, 
por entre grotas e vãos. 
Do espinhal doloroso 
tiras-me com Tuas Mãos.

Quando o fulgor da vaidade 
me faz de Ti olvidar, 
logo o Teu Amor Divino 
me mostra o destino 
que espera o pecar. 
Pois da ilusão que me invade 
só Tu me podes salvar.

Teu santo olhar me vigia 
e a paciência conduz. 
Seja de noite ou de dia, 
Tu me concedes a luz.

Todo o louvor seja dado 
ao Pai - eterno favor. 
Cantemos salmos e hinos, 
adultos, meninos 
louvemos o Amor 
do Pai, o eterno cuidado, 
sempre do filho ao dispor.

Oh, Jesus, nome ditoso! 
Eu sempre Te louvarei. 
És mui suave e formoso, 
meu Pai Eterno e meu Rei. 

(Goiânia – GO, 06/95)